Ralph Gehre & Gustavo Silvamaral

1 CHAMADA FLYER QUADRADO DECU-1

RALPH GEHRE cursou Desenho e Plástica e Arquitetura e Urbanismo na UnB entre 1974 e 1980, expondo regularmente desde então. Paralelamente, tem atuado como curador em inúmeras exposições.

GUSTAVO SILVAMARAL é estudante de artes plásticas na UnB e desenvolve trabalho sobre material, materialidade e corporalidade, com produção nas áreas de gravura, pintura e performance.

Matéria no Metrópoles: https://www.metropoles.com/colunas-blogs/plastica/um-estudo-em-laranja-o-encontro-de-ralph-gehre-e-gustavo-silvamaral

Extrato do texto curatorial

“A pintura não significa, quem significa é o artista. E ele a apresenta, fazendo-a existir de um determinado modo. Pintar é, exatamente, definir esse modo, e com ele definir a autoria e seu acréscimo à pintura. Pintar é assumir o risco de saltar, cair e dispersar-se, preservando uma ética. Pintar é seguir pintando, perseguindo um valor imanente a todas as pinturas ainda a serem feitas.”  RALPH GEHRE   (Texto completo em pdf)

Entrevista com Ralph Gehre

P X B 320

“Em laranja”, performance musical

Esta série de performances musicais que acompanharão o Ciclo Curare, pretendem dar continuidade ao ciclo sonoro desenvolvido por deCurators em 2017: “Eksperimentalis som”. Em seu novo formato, músicos são convidados a criar uma peça que dialogue com a instalação na vitrine da galeria, possivelmente através de alguma técnica de “sonificação” do trabalho.; além disso, inspirados pela “Dream House“, de La Monte Younge e Marian Zazeela, um espaço definido usando uma combinação de som do tipo drone e luz colorida nebulosa, a proposta agora é mergulhar o ouvinte num ambiente de som e luz.

Phil Jones (http://synaesmedia.net/), músico convidado da primeira performance sonora do Ciclo Curare, é também o responsável pela idealização e curadoria de todos os  eventos sonoros do Ciclo.

“Para a instalação Laranja C.I. 15985, a cor em si é obviamente a ideia proeminente. A própria vitrina é dedicada a essa cor com movimento e iluminação sutis, mas pouco em termos de figuras ou padrões contrastantes. 

A composição “Em laranja” foi criada a partir da sequência de dígitos no código da cor: 15 9 8 5, o qual foi usado como semente para uma composição “serialista” criada usando  Sonic Pi, um sistema para criar algoritmos e “live-coded music”. A sequência de números foi usada para gerar não apenas os tons de notas, mas também o tempo, a forma dos envelopes e os parâmetros para criar efeitos específicos. Ao longo da performance, que durou mais de três horas, ao invés de deixar a peça completamente algorítmica e determinística, adicionei improvisações no próprio Sonic Pi  e em FL Studio, em resposta a audiência”

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s