Disco Piloto

Pescando pérolas em banquinhas de feira, calçadas na rua, lojas de móveis usados, livrarias, sebos especializados, sebos zoados, coleções de amigos, aqueles vinis que seu avô ou seu pai não escutam mais, seu vizinho quer desfazer. O vinilófolo vai atrás de tudo e assim ele vai conhecendo quebradas incríveis, garimpos que transportam você para outros universos.

Pesquisando nas baias de R$1,00 ou nos vinis raros e valiosos, nas andanças da Criolina pelo Brasil e pelo mundo, sujando os dedos com toda a felicidade que você pode imaginar, vamos encontrando muitos discos bons e ruins. Mas o que guia nossa busca, são referências muito particulares: um instrumentista na ficha técnica, uma capa irada, o nome de uma música que chama a atenção ou até mesmo um clássico interpretado por um grupo desconhecido.

Nessas andanças alguns discos com capa de Brasília caíram nas nossas mãos, e a partir dessa descoberta, a capital e sua arquitetura modernista exuberante nas capas de vinil, iniciamos uma busca com a vontade de ver os traços da nossa cidade estampada nas bolachas que tanto amamos. Esta coleção é resultado de uma pesquisa espontânea dos DJs Barata, Pezão e Ops, realizada em diversos sebos ao redor do Brasil e Europa, ao longo de 11 anos, movida pelo prazer de encontrar imagens da sua cidade servindo de identidade visual para obras musicais em vários lugares distantes.

E assim surgiu a exposição Disco Piloto.

Algumas capas que tem Brasília como mote visual, referência do modernismo futurista estão nessa exposição, feita com muito carinho pra mostrar um pouco da nossa pilha nessa arte depravada de garimpar discos nas quebradas.

Coleção Criolina
Curadoria: Rodrigo Barata, Tiago Pezão e Rafael Ops
Expografia e Montagem: Carla Barreto, Micaela Neiva, Gisel Carriconde Azevedo e Cleber Poncem
Apoio: Experimente Brasília
Cristina Roberto
Jaqueline Albernaz