Atila Regiani & Ludmilla Alves

instagram-atila-ludmilla1.jpg

ATILA REGIANI é professor do Departamento de Artes Visuais na Universidade de Brasília – UnB e doutor em História da Arte pela mesma instituição. Atua como curador desde 2007. Em sua produção curatorial, destaca as exposições ENTRE em parceria com Gregório Soares (CAL, 2017), Geografia do Atopos (Galeria Alfinete, 2016), ‘Manual de Sobrevivência de Breves Utopias’ em parceria com Grace Freitas (CAL, 2016), Obra Inventário (Espaço Cultural Marcantonio Vilaça, 2013).

LUDMILLA ALVES é doutoranda na linha de Métodos e Processos em Arte Contemporânea pelo Programa de Pós-Graduação em Arte da Universidade de Brasília. Mestre em Poéticas Contemporâneas (PPG-Arte/UnB). Bacharel em Comunicação Social (FAC-UnB). Integra o grupo Vaga-Mundo: Poéticas Nômades. Participa regularmente de exposições e projetos culturais desde 2013. Tem interesse em pintura, escrita e suas aproximações com fotografia e vídeo. Atualmente trabalha na pesquisa Versões Selvagens.

Matéria no Metrópoles: As cascas de árvore, a passagem do tempo e a obra de Ludmilla Alves

Extrato do texto curatorial

Práticas de notação do tempo

1. Compreender o tempo pelo que resta e pelo que se torna resto.

2. Perceber a fina tensão entre o que se perde e o que resiste.

3. Demarcar o tempo pela espessura do que os corpos abandonam.

4. Observar as transformações da matéria e do espaço.

5. Utilizar cascas de árvore como unidade de medida para contar o tempo.

Atila Regiani

Entrevista com Atila Regiani

Em breve.

“Improvisação cósmica”, performance musical

Esta série de performances musicais que acompanharão o Ciclo Curare, pretendem dar continuidade ao ciclo sonoro desenvolvido por deCurators em 2017: “Eksperimentalis som”. Em seu novo formato, músicos são convidados a criar uma peça que dialogue com a instalação na vitrine da galeria, possivelmente através de alguma técnica de “sonificação” do trabalho.; além disso, inspirados pela “Dream House“, de La Monte Younge e Marian Zazeela, um espaço definido usando uma combinação de som do tipo drone e luz colorida nebulosa, a proposta agora é mergulhar o ouvinte num ambiente de som e luz.

Lui Rodrigues (https://www.youtube.com/channel/UCRgZKpoiGUaiGCKgXkfKbKg), músico convidado da segunda performance sonora do Ciclo Curare, trabalha com instalações e design em música eletrônica analógica baseada em módulos eurorack e sampleamento.

Phil Jones (http://synaesmedia.net/) é o responsável pela idealização e curadoria de todos os  eventos sonoros do Ciclo.