A cidade que invent(amo)s

Todos os anos, no período do aniversário de Brasília, realizamos uma série de ações culturais procurando incentivar a reflexão sobre o espaço urbano.

Em 2019, além dos precários bolinhos, brindamos juntos no dia 21 de abril com a mais nova mania da noite deCurators: bambolê. Juntamos nosso amor pela ocupação dos espaços verdes da cidade com a missão de Samantha Spina de espalhar o bambolear pelo mundo.

Dando prosseguimento ao terceiro ano do ciclo A cidade que invent(amo)s, convidamos os arquitetos Carla Barreto e Igor Lacroix para criar um projeto de intervenção na fachada do deCurators, potencializando a galeria como espaço experimental e operando como uma estrutura transitória entre arquitetura e arte. À instalação/intervenção urbana, que ocupou a galeria de 27 de abril a 2 de junho, deu-se o nome de 880 tijolos fazem uma parede.

CARLA BARRETO é graduada em Artes Visuais e Arquitetura, e mestre em Artes Visuais pela Universidade de Brasília. Pesquisadora na área de Arquiteturas Efêmeras, em 2018 realizou residência com o coletivo Morada Vaga, na cidade do Porto Atualmente é coordenadora dos cursos de graduação e de pós-graduação em Artes da Faculdade Dulcina.

IGOR LACROIX é graduado em Arquitetura e Urbanismo pelo UniCEUB (2004), mestre em Teoria, História e Crítica de Arquitetura e Urbanismo pela UnB (2013) e atual doutorando em Tecnologia, Ambiente e Sustentabilidade da Arquitetura e Urbanismo pela UnB. É arquiteto, artista plástico e professor do Curso de Arquitetura e Urbanismo do UniCEUB. Tem experiência na área de Arquitetura, com ênfase em projeto e construção.

Em 10 de maio, Alex Calheiros deu início à série de falas do ciclo. Professor de filosofia política na UnB e diretor de Difusão Cultural da CAL/UnB, Alex abordou a relação entre espaço urbano e utopia. 

ALEX CALHEIROS é professor de Filosofia Política e Diretor de Difusão Cultural da Universidade de Brasília.

No dia 25 de maio, convidamos os artistas Carla Barreto & Igor Lacroix, César Becker e Lívia Brandão para a segunda fala do ciclo, uma reflexão sobre escultura, arquitetura e cidade.

CÉSAR BECKER é formado em Artes Visuais pela Universidade de Brasília e mestre em Poéticas Contemporâneas. Atualmente é professor de escultura do departamento de Artes da UnB, e doutorando na linha de Deslocamentos e Espacialidades pelo programa de pós-graduação da mesma instituição. Integrante do grupo Vaga-mundo: Poéticas Nô­mades, tem desenvolvido sua pesquisa em relação às ciências da terra (geografia e a geologia) com sua pertinência no campo das artes visuais, principalmente na área de escultura.

LÍVIA BRANDÃO é arquiteta e urbanista formada pela Universidade de Brasília e mestranda na Linha de Poéticas Contemporâneas do Departamento de Artes Visuais – VIS/UnB. Sua produção artística se dá na investigação-ação de paisagens e fluxos urbanos. Utiliza-se de experiências perambulantes na cidade para a construção de suas obras. As particularidades dos lugares, a corporeidade dos transeuntes e as singularidades morfológicas dos espaços embasam a subjetividade presente no trabalho, um olhar focado nas tensões entre espaço urbano, tempo e sociedade. Utiliza em sua produção recursos fotográficos, desenhos, vídeo e instalação.

Em 1 de junho, como parte das ações ligadas ao BSB PLANO DAS ARTES, o ciclo convidou para uma pixação coletiva da intervenção de Carla Barreto & Igor Lacroix. 

Por fim, no dia 7 de junho, houve a derrubada do muro, uma ação aberta à participação do público, que, ao final, pôde levar pedaços do muro como souvenir.