deCurators Pesquisa
5/9/2019 – 6/10/2019

Série de ações culturais voltadas para pesquisa em arte: mostras audiovisuais, mesas-redondas, exposição e lançamento da primeira coleção de uma marca de moda sustentável.

Sociedades em ruínas・Clarissa Ribeiro, Diambe da Silva e Tadáskía, Lorran Dias, Rodrigo D'Alcântara
organização de Mariana Destro e Rodrigo D'Alcântara
5/9/2019

A poeira não quer sair do Esqueleto・Diambe da Silva e Tadáskía
documentário experimental, 20'

Perpétuo・Lorran Dias
ficção, 25'

X-MANAS・Clarissa Ribeiro
ficção, 18'

Ascensão e Queda das Bixas・Rodrigo D'Alcântara
ficção/videoarte, 38'

TransRealismos & Anacronismos・Sandro Alves
6/9/2019

Arte no AkaPacha・Hilan Bensusan, Raísa Curty, Tatiana Fernandez Mendez
12/9/2019

Hablan los lugares・Andrés Jurado, Daniel Torres, Germán Ayala, Manuela Prieto, Maria Rojas, Natalia Pérez, Paula Duran, Santiago Forero, Sara Piñeros
organização de La Vulcanizadora
13/9/2019


1080 dias – Parte 1・Vaga-mundo: Poéticas Nômades
21/9/2019

Ao longo de 1080 dias, o grupo Vaga-mundo teve como objetivo realizar uma volta ao mundo, sem sair de Brasília, o que compreendeu expedições a pé aos Setores de Embaixadas Sul e Norte da cidade. Durante três anos caminhamos juntos, estrangeiros no próprio território percorremos distâncias variadas pela cidade-mundo. Um dos pontos de partida para que a expedição do grupo ao redor do setor de embaixadas ganhasse contorno, foi a obra Volta ao Mundo em 80 dias, de Jules Verne. Observamos o mapeamento das embaixadas no plano de Brasília. A maioria situa-se no setor de embaixadas, outras, porém, surgiram e foram se acomodando em outras partes da cidade, como o Lago Sul. Chegar ao Setor de Embaixadas já exige uma certa programação. Não há acesso simples, nem transporte público. Nos organizamos em caronas, carros particulares e/ou táxis e aplicativos de transporte. Temos cadernos e máquinas fotográficas em mãos. Sapatos confortáveis para caminhar, chapéus, lanches, óculos escuros. Olhos secos. Escolhemos os meses mais secos pois não há abrigo para a chuva nesses percursos, nem para o sol… Nos movíamos em distâncias que se dilatavam ou contraíam de acordo com o calor e a baixa umidade relativa do ar.

Caminhamos, portanto, à margem desta representação de mundo oficial que é o setor de embaixadas. Nossa volta ao mundo foi uma volta ao redor, na borda, no limite de encontro entre territórios determinados pelas ásperas fronteiras físicas que demarcam cada um dos espaços simbólicos que percorremos.Nossa caminhada-contorno recorta o espaço sem deixar marcas rígidas: algumas pegadas, olhares lançados e desviados. Medimos a extensão do caminho em cansaço e algumas horas, horas que viraram dias que, por sua vez, viraram alguns anos de conversas e observações, de algumas coletas e registros, mas, principalmente de inúmeros encontros. Aos poucos surge a dimensão do espaço recortado por esse corpo coletivo e ela cabe em uma maquete que pode ser segurada entre as mãos.

A exposição 1080 dias – Parte 1 apresenta então alguns trabalhos ainda em processo dessa viagem.

Vaga-mundo: Poéticas Nômades




REC・Pedro Garcia
colaboração de Gustavo Silvamaral
5/10/2019


© Brina Reis